A gente nunca sabe o que se passa na cabeça dos outros, muito menos no coração.

caminhos.jpg

Ando pensativa, esse negócio de estar longe faz isso com a gente, dá esse tempo a mais para nos conhecermos, esclarecermos algumas dúvidas e “criarmos” outras tantas que nem imaginávamos.

Estou ouvindo mais, e não digo só sobre os conselhos, que nem sempre sigo – eu sei vó- ouvindo mais as histórias, os porquês, as viradas, o que os motiva.

É engraçado como a mesma pergunta pode ter um milhão de respostas tão distintas.

Para ser sincera, eu acho que o nosso dia a dia é assim sempre, mas acaba que aqui, a gente repara nos minimissimos detalhes e um pinguinho parece uma tempestade. Bom por um lado, que comecei a ver um pouco além de mim, ruim por outro, que às vezes todo esse turbilhão me faz pensar demais.

Se você me perguntasse semana passada sobre um tanto de gente que encontrei aqui, as respostas seriam tão diferentes das que tenho hoje. É tanta gente que ia embora e ficou, tanta gente que eu tinha certeza que estaria aqui e de repente, já estão indo. Uns cultivando novos sonhos, outros ficando raízes antigas.

Sobre mim? Eu ainda me supero a cada etapa, ainda continuo lutando para vencer meu maior desafio: eu mesma.

Ainda sou um tanto descoberta, outro tanto só saudade.

 

[imagem meramente ilustrativa]

Trocando gato por lebre

Ou seria melhor dizer Canguru por Peru?

 

Coloquei meus pezinhos na terrinha dos Cangurus crente de que ao menos por um dia me depararia com um por ai. Ok! Talvez não fosse tão comum encontra-los aqui ou ali, mas como diria meu avô: “ Gabriela, você não viu nenhum Canguru por ai? Tem certeza que esta na Austrália mesmo?”

Na contramão da falta de Cangurus, o que não faltam por aqui são pássaros, de todos os tipos e das mais improváveis formas, alias acreditem ou não, existe até um tipo de capacete para evitar os ataques de alguns, o alarde é tanto que anunciam o assunto nas escolas, tanto para que se protejam, quanto para que não os ataquem, eles são conhecidos pela boa memória e você não quer ser reconhecido por ai não é mesmo?

Eles são os protagonistas das cenas mais inusitadas, seja pelos Ibis, espalhados por todos os cantos e principalmente na praia atacando os snacks e refeições, quanto pelos Elsters, que mencionei acima, atacando nos mais diferentes spots, ou ainda pelos Perus invadindo pela janela, ou andando com você por ai pela rua. Para compensar, claro e sempre, os Loirkeet, umas belezinhas verdinhas que vez ou outra são alvo do clique de um snap ou outro por ai, eles vem mansinho comer na sua mão, seja na mesa ou na janela dos prédios.

Vó, avisa o vô e o pessoal por ai que esse negócio de Canguru é puro Marketing.