O mundo clama por amor, mas o que falta mesmo é respeito.

sun.jpeg

Acordei certo dia e descobri que ela não é a mais a mulher da minha vida, tudo bem, não foi bem assim, vínhamos discutindo há um tempo e as semelhanças, antes tão evidentes, agora já não passam de mera coincidência. Confesso que algumas coisas até deixei de gostar de coisas que antes adorava, evitava, com medo dela decidir ir comigo; comecei a evitar os minutos, prolongava as horas de trabalho, até que de repente, não tive mais desculpas. Lavei a cara com coragem e pedi o divórcio, ou melhor dizendo, anunciei que sairia de casa, era o mais sensato a fazer afinal.

Ela relutou, falou do nosso amor, lembrou e relembrou histórias, eu, decidido, mal ouvi. Nosso filho, ah sim, temos um filho, lindo, lindo mesmo , e não digo isso porque é meu não, estava na escola, até por isso foi o horário escolhido para esta conversa, não sabia como ela poderia reagir e queria poupar meu filho de todo esse transtorno ou de qualquer palavra que mesmo sem entender no auge nos seus quase dois anos pudessem ficar gravadas em sua memória.

Quando ela finalmente percebeu que não tinha volta, começaram os gritos, as ofensas, relevei, não deveria estar sendo fácil para ela, muitas vezes, até mesmo quando sabemos que é o melhor a se fazer, relutamos.

Hoje, há exatos dois anos desse dia, essa história ainda se repete toda semana. Muitas vezes, mais sensato, escuto sem responder, outras, retruco e por fim, me arrependo, essa coisa de pagar com a mesma moeda definitivamente não é para mim. Evito que nosso filho escute nossas brigas, as ofensas… evito que nosso dia-a-dia se torne um verdadeiro inferno e evitando ali e aqui, minhas horas com ele vão ficando mais e mais escassas, e meu coração ainda mais apertado, rezo.

Não entendo como de um amor assim, que ela “grita” aos quatro cantos, não sobrou nem o respeito. Sou de uma geração da nova família, onde filhos já não são mais do mesmo pai, nem da mesma mãe, onde se misturam os gêneros, as cores, as vidas. Clamamos amor, mas quer saber bem a verdade: Não há amor que sobreviva a falta de respeito que vivemos. Rezo por dias melhores, em que meu filho possa ter dois lares de paz. Rezo para que as pessoas sejam famílias, sem precisar dividir o mesmo lar. Rezo para que haja respeito, pois sem ele, me desculpem, não há amor que sobreviva.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s